Tag Archive: oracle


Um grupo de desenvolvedores da suíte de produtividade OpenOffice.org anunciou, nesta terça-feira (28/9), o fim do vínculo com a Oracle, a partir da fundação de uma nova entidade voltada a guiar o futuro da ferramenta. A organização, batizada The Document Foundation, cuidará da distribuição de uma versão do conjunto de aplicativos, que será denominado LibreOffice.

O movimento é mais um capítulo no histórico de brigas entre a Oracle e a comunidade de código aberto, desde que a companhia adquiriu a Sun. O banco de dados MySQL e a ferramenta de desenvolvimento Java são os principais protagonistas dessa disputa.

Nascida como StarOffice, a suíte foi rebatizada para OpenOffice.org após a compra da empresa alemã StarDivision pela Sun em 1999. A Oracle incorporou a ferramenta com a compra da Sun, completada no início deste ano, mas desde então desagrada membros da comunidade.

De acordo com Charles H. Schulz, um dos líderes de desenvolvimento do OpenOffice, a comunidade sentia que a Oracle os tratava mais “como parte do problema do que como solução”.

Schulz não considera o LibreOffice como um “fork”- nome dado à ferramenta que tira vantagem de um software de código aberto com licença livre, iniciando um desenvolvimento paralelo. Em vez disso, ele diz que a suíte será a continuação do projeto inicial do OpenOffice.org.

O nome LibreOffice ainda é temporário. A fundação solicitou à Oracle o uso da marca OpenOffice.org e convidou a empresa a participar da iniciativa.

A fundação afirma que já recebeu amplo apoio de outras companhias, como Google, Red Hat e Canonical, distribuidora do Ubuntu.

Até o momento, a Oracle não se pronunciou oficialmente sobre o assunto.

ODF

Segundo Charles Schulz, a The Document Foundation apoia o ODF (Open Document Format), e está disposta a trabalhar junto com a OASIS para a próxima evolução da norma ISO. “The Document Foundation traz para mesa o ponto de vista dos desenvolvedores, apoiadores e usuários, e isso pode acelerar o processo de adoção do ODF nas diversas instâncias governamentais e empresariais”, disse ele.

BROffice

Os usuários brasileiros continuarão utilizando o produto e a marca BrOffice. Ao integrar-se no esforço de desenvolvimento da The Document Foundation, o projeto brasileiro continuará com o mesmo foco: desenvolver o melhor pacote de aplicativos livre para o Brasil.

Na opinião doo coordenador geral da BrOffice.org, Claudio Ferreira Filho, a novidade é animadora. “A BrOffice.org – Projeto Brasil em nome da comunidade BrOffice.org sente-se orgulhosa de ser parte integrante da The Document Foundation. Nosso país já possui importantes investimentos no Open Document Format e nas ferramentas de software que o suportam. Apoiamos a The Document Foundation em sua missão e visão e estamos prontos para juntar forças ao processo de desenvolvimento do LibreOffice e BrOffice.org”, afirma.

Olivier Hallot, integrante do Conselho Diretor da TDF e Diretor da BrOffice.org Projeto Brasil, acrescenta que o nosso objetivo maior da BrOffice.org é preservar a qualidade do produto, honrando o compromisso firmado com instituições e usuários que utilizam a suíte. Na sua opinião, a criação da TDF e a associação da BrOffice.org a ela é também uma garantia de continuidade e inovação para gestores que planejam adotar o aplicativo e o formato ODF para documentos.

Fonte: http://idgnow.uol.com.br/computacao_pessoal/2010/09/28/desenvolvedores-do-openoffice-anunciam-separacao-da-oracle-e-criacao-de-uma-nova-fundacao/

A linha BSRSoft Sun Fire de servidores composta por máquinas que oferecem alta performance para suas aplicações de missão crítica, tais como Enterprise Resource Planning (ERP), Customer Relationship Management (CRM), virtualização e bancos de dados. São compactos (1RU e 2RU) e com alta eficiência energética e ao mesmo tempo são capazes de lidar com grandes cargas de trabalho sem pontos de estrangulamento.

Para mais informações, valor mensal e especificações, clique aqui.

A BSRSoft, empresa comprometida com o open source, criando, alterando, consumindo e distribuindo software aberto, vê-se na obrigação de liberar para o mercado sua visão sobre o recente caso do processo aberto pela Oracle contra o Google, clamando por infrações de patentes da antiga SUN, adquirida pela Oracle, e que cobrem tecnologias implementadas na linguagem e VM Java.

Ao que parece a Oracle não classifica a Dalvik (VM do Android do Google motivo do processo) como um fork do Java. Parece que ela diz que ele é uma outra tecnologia (não Java) que se baseia em conceitos do Java.

Mas não é Java (segundo o que gente da própria Oracle andou falando em off).

O problema então, seria que o Google criou uma coisa nova, usando idéias que só são licenciadas livremente para o Java. (não para algo que segundo ela se parece com Java mas que não é Java)

Essas idéias usadas pelo Google é que estariam cobertas pelas patentes citadas no processo aberto pela Oracle.

Em nossa opinião, a Oracle não vai conseguir dobrar o Google. Algumas patentes são extremamente genéricas, e o Google deverá argumentar que a Dalvik é Java sim, mas que é um superset dele, que ficou bem diferente, mas que é Java.

Isso o enquadraria como estando coberto pelas licenças de patente concedidas em favor das implementações do Java. Se der certo, a Oracle sofrerá uma enorme derrota e ficará conhecida mundialmente como a maior produtora de FUD contra o open source desde a SCO.

O fato de o Google ter licenciado a Dalvik através da Apache 2 e não pela GPL 2 (mesma do Java) não quer dizer que a Dalvik não seja Java. Como dissemos acima as idéias do Java foram aproveitadas no Dalvik, mas não código fonte da JVM. Por isso a Dalvik pode ser tranquilamente um superset da Java sem ter código Java.

Dessa forma ela pode ter licença diferente da JVM e mesmo assim ser um superset do Java e estando protegida das patentes, como qualquer implementação do Java. (implementações são feitas sobre idéias do padrão e não necessariamente sobre código fonte de outras implementações, estes sim cobertos no caso da JVM da SUN pela GPL 2)

E de qualquer forma, a Oracle parece estar fazendo terrorismo com o mercado, fazendo pressão direta em grandes, médias e pequenas empresas que usam o Android em seus produtos, para que estas paguem um “seguro” para a Oracle não as processar. Isso independente do resultado do processo contra o Google.

Aqui na companhia chamamos esse comportamento de FUD. Terrorismo barato de mercado.

Veja a íntegra do processo Oracle vs Google em:  http://www.scribd.com/doc/35811761/Oracle-s-complaint-against-Google-for-Java-patent-infringement

BSRSoft LTDA –  www.bsrsoft.com.br

“Algumas horas atrás, um memorando interno vazou da Oracle para o osol-discuss mailing list em opensolaris.org. Continha detalhes dos planos da Oracle para o Solaris e OpenSolaris, e dá conta de que o OpenSolaris, a distribuição, está morto. Solaris Express voltou, e seu código fonte ainda será CDDL, mas não serão liberados ao público até algum tempo depois de incorporados em uma versão binária. O que vai acontecer com a comunidade agora é uma incógnita. ”

O texto integral da nota está disponível na lista de discussão, bem como a aparente confirmação de um empregado Oracle. Dito isto, nenhum anúncio oficial foi feito.

Fonte:  http://news.slashdot.org/story/10/08/13/1850232/The-Future-of-OpenSolaris-Revealed

Acabamos de disponibilizar diversos novos serviços em nosso segmento de cloud computing (computação em nuvem) em nosso portal.

Todos eles estão relacionados a bancos de dados.

Já contávamos com o MySQL Cloud e agora oferecemos serviços Postgres Cloud e Oracle DB Cloud (versão 10g).

Com essas opções, cobruimos praticamente todo o espectro de aplicações que precisam de bancos de dados para funções desde controle de um simples site até aplicações empresariais com grande quantidade de transações e necessidade de alta escalabilidade, alta estabilidade e velocidade, além de granualaridade em configurações.

Todos estes serviços rodam em nossos cluster especializados em bancos de dados, especialmente otimizados para tarefas que envolvem grande quantidade de IO de disco (usamos RAID 5 SCSI), grande quantidade de memória em cada nó e enorme poder de processamento.

Somos capazes hoje, de atender a grandes exigências do mercado corporativo, a custos baixos, aproveitando todo o ganho de escala que a computação em nuvem proporciona.

Alta velocidade na entrega de serviços contratados neste cluster , agilidade na escalabilidade e baixa latência de conexão são outros diferenciais que somos capazes de oferecer dentro de nossa infraestrutura.

Nosso produtos de DB na nuvem agora são:

  • MySQL 5 Cloud
  • PostgreSQL Cloud
  • Oracle 10g Cloud

    Mais dados sobre estes serviços e informações para contratação instantânea em:

http://shop.bsrsoft.com.br/category.php?id_category=15

 

%d blogueiros gostam disto: