Tag Archive: banco de dados


Classe Atlas(3): Plataforma especializada em infraestrutura de banco de dados, especificamente usando o SGBD PostgreSQL 9.0 atualmente.

Arquitetura de processamento SSI escalavel quase indefinidamente (pode utilizar centenas de núcleos de processamento ao mesmo tempo em uma única grande máquina SSI à partir de processadores AMD de 6 núcleos cada de alta densidade de processamento eficiente).

Possui storages especializados compostos por bancos de armazenamento SSD (discos de estado sólido) e SAS e bancos de sistema de arquivos EXT4, XFS e o novíssimo BTRFS. Todos os bancos de sistemas de arquivos são conectados à máquina SSI que roda o SGBD através de barramento dedicado para máxima performance de I/O tanto de leitura quanto de escrita. Os bancos de sistemas de arquivos possuem seus próprios processadores dedicados.

O SSI e os bancos de sistemas de arquivos do sistema Atlas podem se conectar à redes de todos os tipos suportados pelo Linux.

Os sistemas operacionais são homologados pela BSRSoft para uso no Atlas.(1)

Suporte para vários terabytes de RAM conforme a necessidade do SSI e dos bancos de sistema de arquivos.

Possui alta redundância contra falhas de sistemas de arquivos, quedas de energia, pérda de processadores, falhas de memória etc.

É extremamente eficiente no uso de energia já que é extremamente denso em termos de processamento eficiente, além altíssimo poder de virtualização para separação total de instâncias de sistemas dentro do ambiente. (green computing)

Disponível à partir de Dezembro/2010 para venda e locação em nosso data center. (locação de instâncias virtuais no ambiente estará disponível também)

(1): Sistemas operacionais homologados para uso do cliente são o Ubuntu Linux 10.04 e futuramente o 10.10 server, CentOS Linux 5.5 (clone do Red Hat Linux 5.5), OpenSuse Linux, VMWARE ESXi
(2): Para sistemas operacionais Linux homologados, recomendamos o uso do kernel 2.6.35 ou superior.
(3): Atlas, um dos titãs gregos na mitologia, sustentava os céus nos ombros

Mais informações em: http://bsrsoft.com.br/portal/bsrsoft-servidores

20 DE SETEMBRO 2010:      O Grupo de Desenvolvimento Global do PostgreSQL anuncia o lançamento do PostgreSQL 9.0, a versão mais recente do banco de dados relacional de código aberto mais avançado do mundo. Essa versão traz avanços em segurança, suporte a aplicações, monitoramento, performance, e armazenamento de dados especializados. Os usuários estão particularmente empolgados com as novas capacidades de replicação e “hot standby”, que acelerarão a adoção em hospedagem na nuvem e aplicações escaláveis.

“A replicação nativa da versão 9.0 e a capacidade de consultar um servidor em “hot standby” têm sido os recursos mais solicitados há muitos anos,” disse Simon Riggs, CTO da 2ndQuadrant e o principal responsável por sua implementação. “Replicação em fluxo eficiente e com baixa latência protege melhor seus dados, enquanto o hot standby reduz significativamente o custo total da solução. Em produtos proprietários essa capacidade é uma extensão que custa milhares de dólares.”

O PostgreSQL 9.0 inclui ainda dezenas de outras grandes melhorias que aprimorarão todos os aspectos do projeto e da performance de aplicações de bancos de dados, incluindo: suporte a windows 64 bits, gatilhos condicionais e por coluna, atualização in loco da 8.3 e 8.4, restrições de unicidade postergáveis, e mensagens assíncronas de alto desempenho. Para uma lista completa de novos recursos veja nossa página de informações sobre o lançamento.

“Sendo um dos maiores operadores do mundo de infra-estrutura para registros centrais da Internet, a Afilias regozija-se em ver o PostgreSQL 9.0 incluir a atualização in loco (in-place upgrades), a qual nos permite atualizar para novas versões do SGBD com um mínimo de inconvenientes para a nossa base de 16 milhões de nomes de domínios,” disse o CTO da Afilias Ram Mohan.

“Nós estamos muito empolgados com as novas funcionalidades … Nós esperamos especialmente as restrições de unicidade postergáveis como uma oportunidade para acelerar atualizações e melhorias para nossos clientes,” disse Paolo Juvara, CTO da OpenBravo.

Continue lendo

Acabamos de disponibilizar diversos novos serviços em nosso segmento de cloud computing (computação em nuvem) em nosso portal.

Todos eles estão relacionados a bancos de dados.

Já contávamos com o MySQL Cloud e agora oferecemos serviços Postgres Cloud e Oracle DB Cloud (versão 10g).

Com essas opções, cobruimos praticamente todo o espectro de aplicações que precisam de bancos de dados para funções desde controle de um simples site até aplicações empresariais com grande quantidade de transações e necessidade de alta escalabilidade, alta estabilidade e velocidade, além de granualaridade em configurações.

Todos estes serviços rodam em nossos cluster especializados em bancos de dados, especialmente otimizados para tarefas que envolvem grande quantidade de IO de disco (usamos RAID 5 SCSI), grande quantidade de memória em cada nó e enorme poder de processamento.

Somos capazes hoje, de atender a grandes exigências do mercado corporativo, a custos baixos, aproveitando todo o ganho de escala que a computação em nuvem proporciona.

Alta velocidade na entrega de serviços contratados neste cluster , agilidade na escalabilidade e baixa latência de conexão são outros diferenciais que somos capazes de oferecer dentro de nossa infraestrutura.

Nosso produtos de DB na nuvem agora são:

  • MySQL 5 Cloud
  • PostgreSQL Cloud
  • Oracle 10g Cloud

    Mais dados sobre estes serviços e informações para contratação instantânea em:

http://shop.bsrsoft.com.br/category.php?id_category=15

 

Por causa do MySQL

A história começou em 2008 quando a Sun, de olho no mercado de banco de dados avaliado em US$ 15 bi, comprou o MySQl. Foram pagos 800 milhões de dólares em dinheiro e mais 200 milhões de dólares em troca de ações.

Mas a crise mundial fez os negócios e novos investimentos cessarem e a Sun passou a procurar um comprador enquanto o preço de suas ações despencavam. A IBM se recusava a pagar os 7 bilhões que os acionistas queriam e o negócio paralizado. A esperança era a Sun enfraquecer mais e capitular diante das péssimas condições de mercado.

A Oracle surge do nada e oferece pouco mais de 7 bilhões de dólares, uma rasteira na IBM, e anuncia ao mundo a aquisição da Sun. O governo americano aceita o negócio, mas a União Européia levanta questões sobre concorrência, concentração de mercado e o futuro do MySQL. A suspeita é que a Oracle não irá cumprir a promessa de desenvolver o MySQL e usá-lo apenas para vender o seu produto principal, Oracle Database. Outra suspeita é que o produto será deixado de lado e os consumidores não teriam uma opção. Sabemos que não é verdade, o PostgreSQL é a prova.

Obviamente, a Sun esperava que o negócio fosse aprovado rápido e como isso não aconteceu, vai demitir mais 3000 pessoas, 10% da sua força de trabalho. Essa óbvia perda de talentos faz com que a concorrência, IBM principalmente, aproveite para levar a maior quantidade de clientes possível e com bastante sucesso.

E agora?

É óbvio que um SGBD como o MySQL não pode ficar não mão de programadores de fins de semana. Precisa de uma empresa com recursos financeiros para realizar os invesmentos necessários para a melhoria contínua.

Durante a Oracle Open World, a mensagem foi clara: Sun e Oracle estão juntas. Se o MySQL é o problema, ele provavelmente será descartado através de alguns possíveis cenários:

– MySQL vendido por uma pechincha para uma empresa qualquer de fundo de quintal. Pouco provável.

– Saída Red Hat: MySQL passa a ser um projeto totalmente livre apoiado pela comunidade com uma versão “Oracle MySQL” para empresas.

– MySQL é vendido para um parceiro ou empresa que precisa completar seu leque de produtos. Google, por exemplo, seria uma empresa óbvia. A HP é outra que poderia se beneficiar da venda de servidores otimizados com MySQL.

– Oracle desiste do negócio.

O futuro do MySQL agora é muito mais incerto. As preocupações da UE são válidas, acredito eu, mas eles não oferecem uma solução. A Sun precisa da Oracle, fato. O Exadata 2 foi inclusive otimizado para o softwares da empresa. A perda de talentos e clientes pode deixar a Sun em uma situação insustentável. As opiniões estão divididas e obviamente muitos defensores de software livre gostaram na notícia, outros nem tanto.

Em números de faturamento, o MySQL é pífio, com faturamento de 70 milhões de dólares por ano. Mas ele concentra praticamente metade dos websites, blogs e sistemas de controle de conteúdo da web.

Autoridades européias tem até o dia 19 de Janeiro para bater o martelo, mas se dizem abertos a negociar.

Fonte: Ricardo Bicalho – MeioBit –  http://meiobit.com/meio-bit/ind-stria/ue-n-o-aprova-compra-da-sun-pela-oracle

Devemos lançar para o mercado nesta semana a nossa solução de banco de dados MySQL e Postgre SQL em nvem.

Nossos cliente poderão contratar conosco, independente de onde suas aplicações atuais estiverem hospedadas.

Poderão utilizar nossas soluções de banco de dados altamente escaláveis, com memória e instâncias dedicadas fazendo com que seus aplicativos baseados nesses DBMs possuam performance superior aém de recursos como recuperação automática de desastres, snapshots e muito mais.

Tudo isso é possível através de nossa solução que utiliza virtualização para instanciamento e privatização de recursos computacionais.

Nossos clientes poderão escolher inclusive quantidade de memória RAM, espaço em disco configurações personalizadas, etc.

Mais ninformações aqui, no TWITTER (@bsrsoft)  e em http://idc.bsrsoft.com.br

%d blogueiros gostam disto: