Mais um exemplo a ser registrado sobre a gravidade bastante concreta do problema dos códigos maliciosos.

O computador central responsável por registrar falhas dos aviões da companhia aérea Spanair foi impedido de contabilizar o número de problemas de uma aeronave em 2008 porque estava infectado com vírus do tipo cavalo de troia, segundo reportagem publicada na edição desta sexta-feira (20) do jornal “El País”. No mesmo ano, em 20 de agosto, o avião acabou sofrendo um acidente durante decolagem no aeroporto de Barajas, em Madri, matando 154 pessoas.

Se estivesse funcionando corretamente, o sistema poderia ter impedido o processo de decolagem, já que, pouco antes do avião partir, foi registrada uma falha técnica em um sensor da aeronave. A mesma falha havia se manifestado duas vezes no dia anterior. Se estivesse funcionando normalmente, o computador teria acusado a repetição, alertando técnicos da companhia. O sistema, no entanto, estava infectado, e não registrou as ocorrências da véspera do acidente.

(…) Dois erros foram registrados no dia anterior ao acidente. No dia do acidente, quando os mecânicos tentaram inserir no banco de dados um problema detectado pelo comandante da aeronave, eles não teriam conseguido realizar a operação devido a erros causados pelo código malicioso, segundo as informações mais recentes obtidas pelo jornal espanhol. (…) (via g1.globo.com e BR-Linux.org)