Escrito por Reinaldo Carlos Matias (http://altcast.com.br/artigos/110-cloud-computer/1184-manifesto-open-cloud.html)
OBS: A BSRSoft apóia oficialmente o manifesto.

Manifesto publicado em http://www.opencloudmanifesto.org/, traduzido por mim e postado para vocês. Como vocês irão ver durante a leitura, o futuro do Cloud Computing pode ser bem promissor, também irá ver que existem muitos obstáculos, mas que com força de vontade e união entre desenvolvedores, provedores e usuários tudo será superado.

Manifesto aberto sobre a Nuvem

Dedicado à crença de que a nuvem deve ser aberta

Introdução

O rumor em torno da computação em nuvens se tornou uma febre. Alguns acreditam que é uma tendência perturbadora que representa o próximo estágio na evolução da internet.  Outros acreditam que isso é exagero, já que usa uma tecnologia de comunicação há muito tempo estabelecida. Como ocorre com novas tendências no mundo da TI, as organizações devem descobrir os benefícios e os riscos da Computação em Nuvens e a melhor forma de utilizar essa tecnologia.

Uma coisa é clara: A indústria precisa de uma conversa direta e objetiva sobre como esse novo paradigma de computação determinará impactos sobre a organização, como poderá  ser utilizado em conjunto com as tecnologias existentes, e as armadilhas potenciais que podem levar a um Lock-in2 com escolhas limitadas.

Este documento destina-se a iniciar uma conversa que vai reunir os membros da comunidade emergente de Cloud Computing (usuários e desenvolvedores de soluções em Cloud) em torno de um conjunto de princípios. Acreditamos que esses princípios fundamentais estão enraizados a crença de que a computação em nuvem deve ser tão aberto  como todas as outras tecnologia em TI.

Este documento não pretende definir uma taxonomia final da computação em nuvem ou fretar um esforço das novas normas. Também não tento ser exaustivo sobre uma tese exaustiva sobre arquitetura e design do Cloud. Pelo contrário, este documento é destinado aos CIOs2, governos, usuários de TI e líderes de negócios que pretendem usar a computação em nuvens e estabelecer um conjunto de princípios fundamentais para provedores de Cloud Computing. A computação em nuvem ainda está em seus estágios iniciais, ainda tem muito para aprender e experimentar ainda. No entanto, é a hora certa para os membros da comunidade emergente de computação em nuvem se unir em torno da noção de uma nuvem aberta.

O que é Cloud Compting e porque é importante?

Afim de compreender os princípios fundamentais de uma nuvem aberta, precisamos primeiro concordar com algumas definições e conceitos básicos de computação em nuvem. Em primeiro lugar, o que é “a nuvem”? A arquitetura e a terminologia da computação em nuvem é tão clara e precisamente definidas como, também, uma nuvem.  Uma vez que a computação em nuvem é resultado de diversas tecnologias como Grid Computing, Utility Computing, SOA, Web 2.0, e outras tecnologias, uma definição precisa é freqüentemente debatido.

  • Escalabilidade  sob Demanda
    Todas as organizações têm de lidar com mudanças em seus ambientes. A capacidade de soluções de computação em nuvem, em grandes ou baixas escalas, é um grande benefício. Se uma organização tem períodos em que suas necessidades de recursos são muito maiores ou menores que o normal, a tecnologia em Could (publica ou privada) pode lidar com essas alterações. A organização paga apenas pelos recursos que ela realmente usa, mas não precisa manter recursos elevados para lidar com momentos de picos.
  • Racionalização do Data-Center
    Uma organização, seja ela de qualquer tamanho, terá um investimento substancial para a implantação do seu centro de dado. Isso inclui a compra e manutenção de hardware e software, fornecendo as instalações em que o hardware é inserido e contratando mão de obra especializada que manterá o centro de dados em funcionamento. Uma organização pode racionalizar o seu centro de dados, tirando partido das tecnologias da nuvem internamente ou por descargas de carga de trabalho para servidores fora da organização.
  • Melhoria nos Processos de Negócios
    Uma nuvem oferece uma infra-estrutura para melhoria dos processos de negócios. Uma organização e seus fornecedores e parceiros podem compartilhar dados e aplicativos na nuvem, permitindo que todos os envolvidos concentrem seus processos em apenas um lugar, em vez de uma infra-estrutura cada processo.
  • Minimização dos custos de inicialização
    Para as empresas que estão apenas começando, organizações em mercados emergentes, ou mesmo “Skunk Works” grupos em organizações maiores, a computação em nuvem reduz consideravelmente os custos de inicialização. A nova organização começa com uma infra-estrutura já existente, de modo que o tempo e outros recursos que seriam gastos na construção de um centro de dados são suportados pelo fornecedor da nuvem, a nuvem pode ser publica ou privada.

Desafios e Barreiras para a Adoção

Embora a nuvem apresente grande oportunidade e valor para as organizações, os habituais requisitos de TI (segurança, integração e assim por diante) ainda se aplicam. Além disso, algumas novas questões surgem devido a natureza multi-tenant (informações de múltiplas empresas estarem no mesmo hardware físico) de computação em nuvem, a concentração de aplicações e de dados, e o fato de que as cargas de trabalho de uma empresa podem permanecer fora de seu centro de dados no local físico. Esta seção examina cinco grandes desafios que a computação em nuvem deve enfrentar para cumprir sua promessa.

  • Segurança
    Muitas organizações estão desconfortáveis com a idéia de armazenar seus dados e aplicativos em sistemas que não são controlados por ela. A migração de cargas de trabalho a uma infra-estrutura compartilhada aumenta o potencial risco para acesso não autorizado e a conseqüente exposição dos dados. Coerência em torno de autenticação, as tecnologias de gerenciamento de identidade, o respeito de acesso passará a ser cada vez mais importante. Para tranqüilizar os seus clientes, provedores de Cloud Computing deve oferecer um elevado grau de transparência em suas operações.
  • Dados e interoperabilidade de aplicativos
    É importante que os dados e aplicativos exibam a interface padrão. Organizações querem ter a flexibilidade para criar novas soluções ativadas por dados e aplicativos que interajam uns com os outros, independentemente de onde eles residem (nuvens públicas, nuvens privadas que residem dentro do firewall da organização, nos ambientes de TI tradicionais ou alguma combinação). Provedores de Cloud Computing necessitam apoiar padrões de interoperabilidade de modo que as organizações possam combinar as capacidades de qualquer prestador de soluções Cloud.
  • Portabilidade de dados e aplicativos
    Sem normas, a capacidade de adaptação dos sistemas in-house e a possibilidade de escolher outro fornecedor será limitada por interfaces proprietárias. Uma vez que uma organização constrói ou migra um sistema para usar em Cloud, trazer esse sistema de volta para a tecnologia antiga é difícil e caro.
  • Controle e Gestão
    Como os departamentos de TI introduzem novas soluções em Cloud no âmbito de seu datatacenter tradicional, os novos desafios surgem. Mecanismos padronizados para lidar com a gestão do ciclo de vida, licenciamento e estorno das infra-estruturas Cloud compartilhadas são apenas algumas das questões de gestão e controle onde fornecedores devem trabalhar juntos.
  • Medição e Monitoramento
    Os empresários vão querer usar vários provedores de Cloud Computing em suas soluções de TI e será necessário acompanhar o desempenho do sistema através destas soluções. Os provedores devem fornecer formatos consistentes para monitorar as aplicações Cloud e a prestação de serviços além de torná-las compatíveis com os sistemas de monitoração existentes.

É claro que a oportunidade para aqueles que efetivamente utilizam a computação em nuvem em suas organizações é grande. No entanto, essas oportunidades não são sem riscos e barreiras. É nossa convicção que o valor da computação em nuvem pode ser plenamente realizado somente quando os fornecedores de Cloud garantirem que a nuvem está aberta.

Os objetivos de um Open Cloud

Os clientes esperam que os serviços de nuvem que usam sejam tão abertos como o resto de suas escolhas de TI. Como abrir uma nuvem se torna uma realidade, os lideres empresariais irão se beneficiar de várias maneiras.

  • Escolha
    Como uma organização escolhe um fornecedor ou modelo de uso, uma nuvem aberta irá tornar mais fácil para eles usarem um provedor diferente, ou arquitetura, como mudança no ambiente de negócios. Se a organização precisa mudar, por fornecedores de novas parcerias, aquisições, solicitações de clientes ou regulamentos governamentais, pode se fazer facilmente. Se a organização implanta uma nuvem particular, eles podem optar entre prestadores de serviço observando como eles entendem as suas capacidades e/ou necessidades funcionais. Recursos que teriam sido gastos em uma migração difícil pode preferivelmente serem gastos em inovação.
  • Flexibilidade
    Não importa qual provedor de Cloud e de arquitetura que uma organização utiliza, uma nuvem aberta irá tornar mais fácil para eles trabalharem com outros grupos, mesmo que esses outros grupos escolham fornecedores e arquiteturas diferentes. Uma nuvem aberta irá tornar mais fácil para as organizações se inter-operar entre diferentes provedores de Cloud Computing.
  • Rapidez e Agilidade
    Uma das proposições de valor da computação em nuvem é a capacidade de escala de hardware e software, conforme necessário. Usando as interfaces abertas permite-se que as organizações construam novas soluções que integrem as nuvens públicas, privadas e nuvens atuais de sistemas de TI. Com as condições da mudança de prganização, uma nuvem aberta permitirá à organização responder com rapidez e agilidade.
  • Competências
    Um efeito colateral de uma nuvem aberta é a disponibilidade de profissionais qualificados. Se existem muitos modelos de programação proprietária é pouco provável que um determinado profissional de TI saiba mais do que alguns desses modelos. Com uma nuvem aberta, haverá um conjunto menor de novas tecnologias para aprender (especialmente quando são utilizadas as tecnologias existentes), aumentando muito as chances de que a organização possa encontrar alguém com as habilidades necessárias.

Princípios do Open Cloud

Naturalmente, muitas nuvens continuarão a serem diferentes em vários aspectos importantes, proporcionando um valor único para as organizações. Não é nossa intenção definir normas para todos os recursos da nuvem nem criar um ambiente único e homogêneo. Pelo contrário, como a computação em nuvem amadurece, há vários princípios fundamentais que devem ser seguidos para garantir que a nuvem esteja aberta e garantir a possibilidade de escolha, flexibilidade e agilidade das organizações, os princípios do Open Cloud são:

  1. Provedores de Cloud Computing devem trabalhar juntos para garantir que os desafios para a adoção da nuvem (segurança, integração, portabilidade, interoperabilidade, gestão de controle, medição/monitoramento) sejam tratados através da colaboração aberta e o uso adequado das normas.
  2. Provedores de Cloud Computing não devem usar sua posição no mercado para prender os clientes em suas plataformas específicas e conseqüentemente limitar sua escolha de fornecedores.
  3. Provedores de Cloud Computing devem usar e adotar as normas existentes, sempre que necessário. A indústria de TI e organizações têem investido fortemente em normas existentes de normalização, não há necessidade de reinventar ou duplicar essas normas.
  4. Quando novos padrões (ou adaptação às normas existentes) são necessários, temos de ser criteriosos e pragmáticos para evitar a criação de muitas normas. Temos de garantir normas de promoção à inovação, e não inibi-las.
  5. Qualquer esforço da comunidade em torno da nuvem aberta deve ser impulsionada por necessidades dos clientes, não apenas as necessidades técnicas dos provedores de Cloud Computing, e devem ser testadas ou verificadas em relação aos requisitos do cliente real.
  6. Normas de Cloud Computing, organizações, advogados e as comunidades devem trabalhar juntos e permanecer organizada, certificando-se que os esforoes não estão em conflito ou se sobrepondo.

Conclusão

Este documento é utilizado para iniciar uma conversa e não defini-la. Muitos detalhes (taxonomias, definições e cenários, por exemplo) serão preenchidos de acordo com que a comunidade se unir.

Temos destacados os desafios enfrentados pelas organizações que desejam tirar proveito da nuvem. Estas questões levam a uma chamada à ação para a indústria de TI em uma visão de nuvem aberta. Nós, como participantes da indústria devemos trabalhar juntos para garantir que a nuvem esteja aberta assim como todas as outras tecnologias da informação. Alguns poderiam argumentar que é muito cedo para discutirmos temas como as normas, a interoperabilidade, a integração e a portabilidade. Embora seja um momento de grande inovação para a comunidade de Cloud Computing, a inovação deve ser guiada pelos princípios de abertura descritos neste documento. Argumenta-se que é exatamente o momento certo para começarmos a trabalhar para construir a nuvem aberta.

Empresas e organizações que apóiam o manifesto nuvem aberta são listadas em: http://www.opencloudmanifesto.org

Lock-in1: Ato de impedir que um trabalho deixe seu espaço físico, nesse caso, impedir que um processo seja migrado para a nuvem.

CIOs2: Sigla inglês Chielf Information Officer, ou seja, Chefe de Tecnologia, esse é um cargo dado ao responsável da área de TI.